Cash Flow Forecasting

30 de junho - 1 de julho 2022

Esta formação visa abordar a dinâmica da previsão de fluxos de caixa, definir com que objetivos são efetuadas as previsões e analisar as diferentes abordagens que podem ser adotadas em função do ramo de negócio e do perfil das empresas. A relação entre previsão, liquidez e fundo de maneio é analisada com detalhe uma vez que nenhum destes aspetos pode ser considerado isoladamente, mas sempre em conjunto com o fim último de maximizar o valor para o acionista. O objetivo é proporcionar a todos os participantes conhecimentos que lhes permitam adquirir confiança na forma de melhorar a precisão das suas previsões, mantendo a sua utilidade em diferentes cenários de mudança e de pressão contínua, maximizando assim os benefícios alcançados.

Objetivos de aprendizagem

  • Utilizar os instrumentos de controlo de tesouraria e sistemas de
    gestão na determinação adequada do Cash Flow da sua empresa.
  • Compreender os índices de liquidez, eficiência, e rendibilidade.
  • Otimizar a precisão das suas previsões em diferentes cenários
    maximizando os benefícios alcançados.
  • O objetivo é proporcionar a todos os participantes conhecimentos que
    lhes permita ganhar confiança na forma de otimizar a precisão das suas
    previsões, mantendo a sua utilidade em diferentes cenários de mudança e
    pressão, maximizando assim os benefícios alcançados.

A quem se destina este curso?

  • Supply Chain Managers
  • Responsáveis de Tesouraria
  • Diretores Financeiros
  • Técnicos Oficiais de Contas
  • Diretores Administrativos
  • Responsáveis de Compras
  • Técnicos de Tesouraria
  • Controllers
  • Auditores
  • Assessores Jurídicos
  • Gestores de Risco
  • Analistas Financeiros
  • Contabilistas
  • Diretores de Planeamento e Controle e outros interessados nesta área

Programma

  • Start time: 9:00 am End time: 5:30 pm

    09:00 Objetivos e utilização das previsões de fluxos de caixa

    Quando não conseguimos entender como podem as previsões de caixa serem corretamente utilizadas, então é bem provável que não se utilize a abordagem mais correta e apropriada na sua gestão.
    Diferentes tipos de empresas têm diferentes ciclos de geração de fluxos de caixa e diferentes formas de abordar a constituição de previsões.

    • Definição de cash flow
    • A forma de abordar as previsões de fluxos de caixa
    • A gestão de liquidez
      • Estabelecer políticas de gestão de fluxos de caixa
      • Identificar e evitar a escassez de fundos
      • Determinação das necessidades de financiamento
      • Planeamento do investimento de excessos de tesouraria
      • Relações bancárias e acordos de financiamento
      • A criação de valor na gestão adequada dos fluxos de caixa

    10:00 Recolha de dados com precisão

    Para a obtenção de dados precisos e constituição de previsões com integridade, é necessário recolher informação o mais pormenorizada e mais realista possível em toda a organização, desde vendas, compras, stocks, necessidades de tesouraria e até aspetos fiscais.

    • Recolha de dados precisos nos diferentes departamentos internos
    • Recolha de dados bancários precisos e oportunos
    • Ligação com os diferentes orçamentos da empresa e com a contabilidade
    • Efetuar a diferenciação entre os fluxos contabilísticos e os fluxos de caixa
    • Identificar as métricas que podemos controlar e destacá-las daquelas em que temos reduzida margem de ação
    • Identificar os principais desvios e os seus motivos
    • Introduzir medidas corretivas

    11:00 Pausa para café

    11:30 Construindo um modelo previsional eficaz

    A forma como as previsões são construídas deve variar de acordo com a sua utilização, finalidade, disponibilidade de dados e natureza do ramo de negócio.
    Utilizando as técnicas mais comuns, nesta sessão iremos analisar os dados, de entrada e saída de fluxos financeiros e como a sua natureza pode mudar dependendo do horizonte de tempo selecionado. É também vital que, numa fase inicial, os mecanismos de ajustamentos e report sejam considerados e projetados de forma a tirar o máximo partido dos mesmos também para os restantes processos da empresa.

    • Métodos de recebimento e de pagamento
    • Prazos
    • Horizontes temporais de elaboração das previsões
    • Modelo próprio versus software específico
    • Mecanismos que permitem identificar as variações
    • Variação da amplitude e profundidade da informação
    • Nível de variações usualmente aceites

    13:00 Pausa para almoço

    14:00 Diferentes técnicas alternativas

    Embora o método de previsão de recebimentos e pagamentos seja de confiança e
    amplamente utilizado, pode não fornecer a precisão ou os resultados necessários em ramos de negócio específicos ou em circunstâncias particulares. Existem outras, às vezes mais complexas, metodologias que podem ser aplicadas a este tipo de situações. Esta sessão visa não só criar uma consciência clara das mesmas, mas também considerar a sua adequação à realidade de cada uma das empresas.

    • Método direto versus método indireto
    • Julgamento
    • Modelo de suavização exponencial
    • Modelo extrapolativo
    • Análise de regressão
    • Distribuição/agendamento

    15:45 Pausa para café

    16:15 Exercício/simulação e utilização de modelo de cálculo de cash flow

    17:15 Resumo da ação de formação

    • Questões

    17:30 Fim do primeiro dia

  • Start time: 9:00 am End time: 5:30 pm

    09:00 Analisando e adaptando as previsões

    Será sempre positivo investir bastante tempo na reunião de toda a informação possível e no desenvolvimento de modelos de cálculo complexos. Contudo, se as previsões que desse trabalho resultarem não forem de confiança e estiverem desatualizadas, esse esforço revelar-se-á absolutamente infrutífero.
    Torna-se assim fundamental, testar as previsões e entender como os fluxos de caixa se alterarão sob diferentes circunstâncias, onde se encontram os pontos de pressão e quais as necessidades de implementação/adaptação para proteger os modelos contra esses riscos.

    • As previsões são realistas? Verificando a sua aderência
    • Compreender e realizar testes de sensibilidade
    • As principais dificuldades na comunicação com as diferentes áreas da empresa
    • Análise de cenários de testes de stress
    • Modelagem em tempos de incerteza e risco
    • Adaptação às mudanças de tendências e circunstâncias especificas do negócio
      • Como estimar os recebimentos de clientes de países com dificuldades em transferir divisa?

    11:00 Pausa para café

    11:30 Gestão de working capital

    Quando veiculamos as previsões de fluxos de caixa à gestão do fundo de maneio, a gestão eficaz de working capital e liquidez só pode ser alcançada se dispusermos de informações de confiança sobre o cash disponível atual e no futuro.

    Todas as atividades estão inexoravelmente ligadas e necessitam de se alimentar mutuamente: as previsões podem indicar a necessidade de um maior controle no fundo de maneio; um programa working capital eficaz conduzirá certamente a uma mudança positiva nas previsões, melhorará a liquidez através da introdução de decisões adequadas de gestão de fluxos de caixa. Nesta ação serão exploradas todas as ligações dentro da empresa e como poderemos extrair um melhor partido das mesmas, com o objetivo final de melhorar a gestão e a geração de cash.

    • Sistemas de ligação
    • Os ciclos de conversão de caixa
    • Fluxos de informação
    • Sistemas de ligação
    • Mecanismos de referência e de alerta
    • Medidas de desempenho do fundo de maneio

    13:00 Pausa para almoço

    14:00 O uso da tecnologia nas previsões e gestão dos fluxos de caixa

    Para muitos, mesmo em grandes empresas, as previsões de fluxo de caixa ainda são efetuadas em ficheiros de Excel por si desenvolvidos. Sendo que para algumas entidades esta metodologia pode ser o suficiente, existem desvantagens consideráveis ​​em termos de precisão, entradas manuais, incapacidade de ligação com outros sistemas e limitações no seu âmbito.

    A tecnologia avança hoje de forma muito rápida e estão já disponíveis novos produtos e soluções que pretendem melhorar a forma como é feito este trabalho, independentemente de serem soluções independentes ou sub-módulos de aplicações já existentes como, sistemas de tesouraria, ERPs ou outros que é conveniente serem do nosso conhecimento.

    Nesta sessão examinaremos alguns dos sistemas disponíveis no mercado avaliando a sua utilidade às diferentes realidades.

    • Para além do Excel
    • Integrados em ERPs
    • Integrados em TMSs
    • Sistemas e sub-módulos autónomos
    • Problemas de integração
    • Sistemas legacy
    • Critérios chave para a seleção
    • Análise eficaz de custo benefício

    15:45 Pausa para café

     

    16.15 The End Game: Aumentando o valor para o acionista via gestão dos fluxos de caixa

     

    A criação de valor apresenta-se como um dos papeis centrais da tesouraria de qualquer empresa e o principal objetivo ao fazê-lo é maximizar os fluxos de caixa. Sendo os seus efeitos práticos visíveis e identificáveis no dia a dia de qualquer empresa, quer seja acedendo a financiamento barato, reduzindo as taxas de juro, quer obtendo as melhores condições junto de fornecedores. Com as mudanças constantes nos critérios contabilísticos, o cash é uma das métricas tangíveis e mensuráveis através das quais o desempenho de qualquer empresa pode ser facilmente medido interna e externamente.

    • Definição de valor para o acionista
    • Mensuração do valor do acionista
    • Redução do custo do capital
    • Descontar os fluxos de caixa
    • Fazer o cálculo do dinheiro – resultados práticos e de apresentação

    17:15 Resumo da ação de formação

     Lessons learned

    • As melhores práticas
    • Questões

    17:30 Fim do curso e entrega de certificados