Gerenciamento Internacional de Finanças, Tesouraria e Riscos

Plenária

Sessão Plenária

Serafim de Abreu

Chair: Serafim de Abreu, VP, COO, IBM, Presidente do IBEF São Paulo

Serafim de Abreu
Serafim de Abreu Presidente do IBEF São Paulo VP, COO, IBM

Serafim tem mais de 20 anos de experiência profissional. Construiu uma extensa carreira na IBM nas áreas de Finanças, Operações e Serviços. Atualmente atua como vice-presidente de Operações e Estratégia para a IBM na América Latina. Ate o ano passado ocupou a posição de CFO para a IBM no Brasil. Entre as diversas disciplinas de finanças e operações, seu currículo tem atuações como CFO e COO de diversas unidades de negócio, além de ter liderado organização de serviços de terceirização de processo - BPO (business process outsourcing) da IBM na América Latina. Sua experiência internacional soma uma designação de três anos como auditor interno na IBM Corporation, em NY, Estados Unidos. Ele é formado em Administração de Empresas, tem MBA em gestão empresarial pela Fundação Dom Cabral e educação executiva em Harvard (GMP26). Recentemente foi nomeado presidente da diretoria executiva do Instituto Brasileiro de Executivos de Finanças de São Paulo (IBEF-SP).

  • 9:10
    Brasil: no caminho da recuperação?

    A comunidade empresarial recebeu bem a ascensão de Bolsonaro ao poder e os mercados estavam otimistas com a perspectiva das tão necessárias reformas. No entanto, a economia ainda é fraca. É provável que as reformas tributária e previdenciária sejam aprovadas no Congresso, mas elas terão que ser suficientemente significativas para acalmar as preocupações com a dívida. Infelizmente, as tensões internas não são o único motivo de preocupação. Uma possível desaceleração nas principais economias, risco geopolítico, especialmente na guerra comercial entre China e EUA e aumento da regulamentação, são apenas alguns dos riscos que podem ameaçar o futuro do Brasil. Do lado positivo, o novo acordo entre a UE e o Mercosul deverá impulsionar a economia do país, e as discussões sobre a conversibilidade monetária aumentam as esperanças de maior estabilidade. Nesta sessão, veremos o que esperar e como nos prepararmos.

    Fernando Honorato

    Fernando Honorato, Economista-Chefe e Diretor do Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos, Bradesco

    Fernando Honorato
    Fernando Honorato Bradesco Economista-Chefe e Diretor do Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

  • 9:50
    Food for thought

    O que torna UM departamento de finanças diferente de quase qualquer outro que você já viu antes? O modelo de negócios inovador de uma empresa e uma taxa de crescimento anual de 100% certamente exige uma abordagem não tradicional. Para conseguir isso, finanças estabelecem políticas e produtos para apoiar a empresa e toda a cadeia de valor. Nesta sessão, ouviREmos sobre os valores e a tecnologia implementados por um departamento de finanças, onde 10% da força de trabalho tem formação em tecnologia. Isso inclui vários cientistas de dados que usam AI para modelagem, Bots para executar tarefas de rotina, como conformidade fiscal e aprendizado de máquina para dar suporte a clientes e fornecedores. Saiba mais sobre o estilo, a cultura e a tecnologia inovadores da política que permitiram que essa empresa facilitasse as transações e as tornasse mais eficientes, ao mesmo tempo em que aprimora a percepção da marca.

    Diego Barreto

    Diego Barreto, CFO, iFood

    Diego Barreto
    Diego Barreto iFood CFO

    Mestre pelo IMD (Suíça), com foco em estratégia e liderança, é especialista em finanças pela Fipecafi/USP, e também bacharel em direito pela PUC-SP. É atualmente CFO do iFood. Foi executivo da AES, OAS, Suzano e Ingresso Rápido, tendo construído sua experiência finanças e estratégia. Também é mentor de mais de 30 startups em diferentes países e membro do conselho de administração do Instituto Brasileiro de Relações com Investidores. É professor da Casa do Saber e foi professor da FGV e FIA/USP, além de ter publicado dois livros.

  • 10:40
    Coffee break e exposição
  • 11:10
    Sua estrutura de capital está alinhada à sua estratégia de negócios?

    Além dos cálculos, a estrutura de capital correta é aquela que melhor apoia a estratégia de negócios de sua empresa. Esta empresa tem grande experiência na emissão de títulos nos mercados local e internacional. Algumas dessas transações foram realizadas em um clima de volatilidade global e instabilidade política. O CFO orienta-nos, através do processo de tomada de decisão, como decidir qual a melhor estrutura de capital para a sua empresa, considerandoo impacto no valor total, nos fluxos de caixa operacionais e no custo de capital.

  • 11:50
    Fusões e Aquisições: integração ou luta pelo poder?

    Como realizar o potencial identificado no momento da aquisição? Fusões e aquisições são complicadas, embora, paradoxalmente, financiar a operação possa ser a menor das preocupações. A integração e o dia a dia da empresa após a fusão podem ser o verdadeiro desafio. Fazer com que as empresas trabalhem juntas de maneira eficiente significa confrontar o gerenciamento com os problemas de TI, processos e pessoas para gerar sinergias de receitas e não somente de redução de custos. A forma como as políticas corporativas são compreendidas depende não apenas do país, mas também das culturas empresariais e pessoais. A resistência à mudança e a dinâmica do poder têm precedência. A retenção de funcionários pode ser um problema e os estilos de comunicação são fundamentais. Tendo experimentado seu quinhão de fusões e aquisições, este painel fornece dicas importantes sobre como gerenciar os aspectos críticos para garantir uma integração bem-sucedida para entregar o valor esperado no momento da aquisição.

    Wilson Fernandes

    Wilson Fernandes, CFO Brasil, ESPN

    Wilson Fernandes
    Wilson Fernandes ESPN CFO Brasil

  • 12:30
    Almoço

Sessão 1

Um foco no risco

Gilson Carvalho

Chair: Gilson Carvalho, CFO, Entrevias Concessionária de Rodovias S/A

Gilson Carvalho
Gilson Carvalho Entrevias Concessionária de Rodovias S/A CFO

  • 14:10
    Obtendo o máximo da estratégia de gestão de riscos

    A flutuação cambial é responsável por uma parcela significativa do risco e dos resultados de uma empresa. Expansão internacional significa exposição a um maior número de moedas, e a alta volatilidade parece ter se tornado norma. Nesse contexto, as empresas com presença em todos os mercados podem achar difícil visualizar e gerenciar riscos. Centralizar exposição cambial e hedge geralmente é a estratégia mais eficiente. No entanto, a cobertura de tudo poderá sair caro. Esta tesouraria analisa as correlações entre as moedas para decidir de quais se proteger. Veja como o risco é rastreado globalmente. Também discutimos correlações cruzadas de commodities e programas de hedge cambial. Como o desempenho do hedging cambial é medido? Obter a compreensão total do risco de uma organização é fundamental para apoiar esse tipo de programa.

    Marcelo Belice

    Marcelo Belice, Gerente de Planejamento Financeiro, Johnson & Johnson – Medical Devices

    Marcelo Belice
    Marcelo Belice Johnson & Johnson – Medical Devices Gerente de Planejamento Financeiro

    Marcelo tem 12 anos de carreira corporativa, 5 anos trabalhando em consultoria estratégica e 7 anos trabalhando na área de finanças. Em finanças, Marcelo trabalhou nas áreas de Finanças Comerciais (Marketing) e Planejamento Financeiro, atuando em empresas como Diageo, Bristol-Myers Squibb e Johnson & Johnson. Atualmente, Marcelo trabalha como Gerente de Planejamento Financeiro para o setor de Medical Devices na Johnson & Johnson.

    Marcos Arruda

    Marcos Arruda, Diretor de Tesouraria, Bayer

    Marcos Arruda
    Marcos Arruda Bayer Diretor de Tesouraria

    Marcos Arruda é formado em Ciências da Computação pela PUC/SP e pós-graduado em Administração de Empresas pela FGV/SP. Desde Fev/2019 é Diretor de Tesouraria na Bayer, função que assumiu após a aquisição da Monsanto onde trabalhou por 25 anos passando por diversas áreas como TI, Tesouraria e Gestão de Riscos. Ele está sediado em São Paulo e é responsável pelas operações de Tesouraria para o Brasil.

  • 14:50
    Automatizando a gestão de Forex

    Os processos e planilhas manuais que tradicionalmente permitem operações de câmbio são caros, complexos e propensos a erros. As novas tecnologias incluem programas que podem ser diretamente conectados aos ERPs e TMs da empresa por meio da nuvem ou APIs para gerenciar front, middle e back office e relatórios. Isso pode não apenas ajudar a melhorar a eficiência, segurança e conformidade de dados, mas também permitirá o monitoramento da atividade e revelará oportunidades. Esta empresa automatizou
    o processo de negociação Forex de ponta a ponta, incluindo o upload e a execução de hedges, exportando dados para o ERP e confirmando correspondência com os bancos. Saiba como eles aprimoraram a funcionalidade geral, identificando a exposição e mitigação de riscos.

    Vinicius Guidotti

    Vinicius Guidotti, Treasury Manager, Barry Callebaut

    Vinicius Guidotti
    Vinicius Guidotti Barry Callebaut Treasury Manager

    Vinicius Guidotti, graduado em Administração de Empresas, pós graduado em Finanças Corporativas e MBA Executivo em Finanças. Vasta experiência em tesouraria da grandes multinacionais. Atualmente lidera a tesouraria da Barry Callebaut no Brasil, multinacional Suíça maior processadora de cacau e produtora de chocolate de alta qualidade no mundo, sendo responsável pela gestão de caixa, exposição cambial, liquidez, gestão de working capital, câmbio e seguros.

  • 15:30
    Coffee break e exposição
  • 16:10
    Usando dados para moldar sua estratégia de hedge

    Os tesoureiros corporativos estão sendo constantemente desafiados por um cenário econômico dinâmico, repleto de incertezas e volatilidade. Para gerenciar o risco, os tesoureiros precisam avaliar minuciosamente os mercados financeiros e executar as negociações em tempo hábil. Nesse contexto, a informação desempenha um papel central. Embora os dados sejam onipresentes, informações relevantes e perspicazes são raras. Reunimos um painel de tesoureiros corporativos que usam plataformas eletrônicas para aprimorar seu fluxo de trabalho. Ouvimos como isso lhes permitiu analisar seu desempenho comercial em bases históricas, melhorar seu processo de decisão e suas discussões com contrapartes em torno de spreads e preços.

    André Estefan Ventura

    André Estefan Ventura, Treasury Country Manager, Mercado Livre

    André Estefan Ventura
    André Estefan Ventura Mercado Livre Treasury Country Manager

    Formado em Engenharia Civil pela Escola Politécnica da USP, pós graduado em Gestão de Projetos e Riscos, Gestor de Finanças de grandes companhias de capital aberto, notadamente no mercado bancário e financeiro. Larga experiência em mercado de capitais, alternativas de funding local e off-shore, estrutura de capital, hedge e investimentos.

    Rodolfo Luterman

    Rodolfo Luterman, Tesoureiro Regional, Archer Daniels Midland Company

    Rodolfo Luterman
    Rodolfo Luterman Archer Daniels Midland Company Tesoureiro Regional

    Rodolfo Luterman possui mais de 15 anos de experiência no mercado financeiro brasileiro e internacional. Graduado em Administração de Empresas, possui Mestrado em Finanças e Economia pela FGV-SP. Antes iniciar na ADM em 2010, Rodolfo atuou durante 7 anos em instituições financeiras. Na ADM, é o responsável pelas atividades de Tesouraria para a América do Sul, Fundos de Pensão Global e FX Global.

    Marcio Uemura

    Marcio Uemura, Proposition Sales, Trading, Refinitiv

    Marcio Uemura
    Marcio Uemura Refinitiv Proposition Sales, Trading

  • 16:50
    Automatize as análises, libere a capacidade de gerenciamento

    Com a tecnologia disponível hoje, Finanças e Tesouraria não devem mais ter que lidar com relatórios diários e análises de rotina. Esta equipe implementou um novo processo usando um sistema SaaS que faz interface com o ERP, eliminando 6O% das atividades de relatório e análise, reduzindo custos e gerando informações mais confiáveis e rápidas. Itens de fluxo de caixa, tais como DSO, DIO, DPO e outros assuntos serão atualizados mais rapidamente e incluem mais variáveis. A análise é gerada automaticamente e todas as áreas podem acessá-la via web ou aplicativo de telefones celulares 24×7. O tempo economizado abriu a oportunidade de fazer análises mais personalizadas e gerar impacto direto nos resultados da empresa.

    Felipe Rugani

    Felipe Rugani, CFO - Corporate Services, Brazil Region, Sodexo

    Felipe Rugani
    Felipe Rugani Sodexo CFO - Corporate Services, Brazil Region

    Executivo de finanças com passagem por empresas globais de diferentes segmentos e culturas, com experiência e FMCG e Serviços, B2C e B2B, incluindo private equity, e com experiência de trabalho nos EUA, Europa e Latam.

  • 17:30
    Encerramento do primeiro dia e coquetel de Networking

Sessão 2

Foco na tecnologia

Luiz Calado

Chair: Luiz Calado, CFO, Magrass

Luiz Calado
Luiz Calado Magrass CFO

Apontado como uma das principais vozes da economia mundial, segundo The Economist Group, Luiz Calado é economista-chefe do Mercado Bitcoin. Pós-doutorado pela UC Berkeley, dos Estados Unidos, é autor de mais de 20 livros, incluindo best sellers como Imóveis (Ed. Saraiva) e Fundos de Investimentos (Ed. Campus). Atuou como gerente de certificação e educação na Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (ANBIMA), e é professor e pesquisador do Centro de Estudos GV Invest da Fundação Getulio Vargas.

  • 14:10
    Revolução das Fintechs: sua tesouraria está preparada?

    O mercado de Fintechs do Brasil, o maior da América Latina, está mudando não apenas os hábitos dos clientes, mas também as instituições financeiras tradicionais e regulatórias. No entanto, um ambiente altamente competitivo, falta de regulamentação, acesso a financiamento, escalabilidade, baixa qualidade e segurança dos dados são alguns dos desafios enfrentados. As empresas, por sua vez, precisam dos controles que os bancos oferecem. Como as tesourarias estão avaliando quais Fintechs usar? Quais são os
    benefícios e riscos? Veja as últimas inovações e o que esses novos atores podem oferecer para tornar as operações financeiras mais eficientes e transparentes.

    Camillo Telles

    Camillo Telles, CEO & Founder, Antecipa

    Camillo Telles
    Camillo Telles Antecipa CEO & Founder

    Goldwasser Pereira Neto

    Goldwasser Pereira Neto, CEO & Founder, Accountfy

    Goldwasser Pereira Neto
    Goldwasser Pereira Neto Accountfy CEO & Founder

    Fernando Lobo

    Fernando Lobo, Director Treasury, Credit and Collection South America, BASF

    Fernando Lobo
    Fernando Lobo BASF Director Treasury, Credit and Collection South America

    Diretor de Tesouraria, Crédito e Cobrança da BASF na América do Sul. Economista FEA-USP. Mestre em administração de empresas na Universidade Erasmus em Roterdã. Anteriormente trabalhou em diferentes divisões de negócios e em diferentes funções no Brasil e no exterior pela BASF.

    Anderson Thees

    Anderson Thees, Managing Partner, Redpoint eventures

    Anderson Thees
    Anderson Thees Redpoint eventures Managing Partner

    Anderson Thees é sócio diretor e co-fundador da Redpoint eventures, o primeiro fundo Brasileiro de capital empreendedor (ou “de risco”) criado em sociedade com firmas do Vale do Silício. A Redpoint eventures foi criada para trazer ao Brasil as melhores práticas de investimento desenvolvidas nas últimas décadas no Vale, para fomentar o ecossistema nascente de empreendedorismo em tecnologia e inovação. Previamente, Anderson foi CEO da Apontador, empresa líder de busca de local e geolocalização. Anteriormente ao Apontador, Anderson foi o diretor de Investimentos da Naspers/MIH, onde era responsável pela criação da unidade de Internet na América Latina. Na Naspers. Anderson também foi investidor da Eccelera, um fundo local de capital empreendedor (“de risco”). No início de sua carreira, trabalhou como empreendedor e desenvolvedor de software no Brasil e na Suíça. Anderson é também voluntário Venture Corp. na Endeavor desde 2003, e conselheiro da BayBrazil. Anderson possui Bacharel em Engenharia da Computação pela Unicamp, e títulos de MBA pela Universidade de Yale e SEP de Stanford, EUA.

  • 14:50
    Espelho, Espelho meu, qual é o método de pagamento mais justo de todos?

    Métodos de pagamento estão em alta no Brasil. Novos métodos parecem surgir quase diariamente e as empresas se esforçam para analisá-los e adotá-los com bastante rapidez. A concorrência no Brasil é feroz e nem todos os novos participantes sobreviverão. Os bancos devem fazer parceria com as Fintechs em vez de tentar competir com elas? Quais métodos de pagamento devem ser implementados pelos tesoureiros? Quais são os
    benefícios e riscos? Três dos principais intervenientes nesse novo cenário de pagamentos falam de sua visão para o futuro, novos produtos, desafios que enfrentam e como os pagamentos podem ser usados para envolver seus clientes. Também discutimos sobre como lidam com o risco de fraude e a segurança cibernética.

    Rodrigo Furiato

    Rodrigo Furiato, Diretor de Wallet, Mercado Pago

    Rodrigo Furiato
    Rodrigo Furiato Mercado Pago Diretor de Wallet

    Carmen Pedroso

    Carmen Pedroso, Coordenadora de Finanças D2C, Electrolux

    Carmen Pedroso
    Carmen Pedroso Electrolux Coordenadora de Finanças D2C

    Carmen Pedroso é coordenadora de finanças de E-commerce na empresa Electrolux. Com 17 anos de experiência na área financeira, é atualmente responsável por meios de pagamentos, dedicando-se à atividades como aumento da taxa de conversão de pagamentos e controle de fraudes. Fez parte da equipe de implementação do canal de E-commerce da Electrolux na America Latina. Antes de atuar na área de E-commerce, trabalhou por mais de 10 anos no setor de contas a receber com ênfase em varejo, contribuindo para melhorias de processos, implantação de projetos de robotização e redução de inadimplência.

    Felipe Gonçalves

    Felipe Gonçalves, Director, Global Business Development, Payu

    Felipe Gonçalves
    Felipe Gonçalves Payu Director, Global Business Development

    Felipe Gonçalves tem mais de 12 anos de experiência em empresas interculturais. Com um MBA em Administração de Empresas pelo INSEAD, a The Business School for the World em Fontainebleau, França e Cingapura, Felipe teve a oportunidade de construir sólidos projetos financeiros e comerciais para empresas digitais como B2W, IBM e Adyen, com uma sólida experiência em processos de Pagamentos Digitais, Finanças Corporativas e Desenvolvimento de Negócios. Felipe ingressou na PayU em 2019, assumindo o comando das operações comerciais do Brasil, que inclui parcerias, gestão de comerciantes locais e clientes internacionais, além do desenvolvimento de novos negócios que atendem aos planos de expansão da PayU no Brasil.

  • 15:30
    Coffee break e exposição
  • 16:10
    E-commerce: um roteiro para finanças e tesouraria

    Quer saber como o financiamento poderá dar suporte às vendas em um mundo onde o comportamento do cliente e os padrões de compra mudaram radicalmente? Este varejista líder implementou uma solução de canal onipresente que inclui forte plataforma de e-commerce. Eles compartilham sua experiência em questões comuns, tais como integração de sistemas, verificação de informações do cliente, métodos de pagamento,
    reconciliação, segurança de dados, devoluções e reembolsos. Tudo isso impacta o resultado final. Veja como as finanças podem ajudar os negócios nesta área. Também serão discutidas oportunidades com biometria, bitcoin e blockchain.

  • 16:50
    O papel do CFO na nova economia: convertendo análise financeira em insights de negócios

    A maioria dos departamentos de finanças e de tesouraria está adotando tecnologias emergentes, como automação de processos robóticos (RPA), para reduzir custos, mitigar riscos e melhorar o cumprimento das normas. Machine learning e inteligência artificial, por sua vez, podem fornecer informações mais detalhadas sobre muitos aspectos de suas operações, tais como eficiência do capital de giro, cadeias de suprimento, gestão de despesas e Analytics. O excesso de dados é marcante, porém, como convertê-los em insights que realmente podem te diferencia? A nova economia tem alterado produtos e serviços e a própria maneira de se chegar ao mercado. Como fica a função do CFO neste novo ambiente de negócios? Como o escopo e perfil do líder de finanças deve se ajustar? Quais oportunidades existem para o profissional de finanças?

    Paulo Mendes

    Paulo Mendes, CFO, SAP

    Paulo Mendes
    Paulo Mendes SAP CFO

    Atualmente atua como Chief Financial Officer (CFO) da SAP, empresa em que está há 17 anos. Paulo é responsável pela operação financeira da subsidiária no Brasil, tendo construído sua carreira em diferentes áreas da companhia no Brasil e América Latina. Também realizou intercâmbio na controladoria corporativa da matriz da SAP na Alemanha. Paulo iniciou sua carreira em um grande varejista brasileiro de confecção, onde liderou o estabelecimento da controladoria de varejo e franquias. Paulo é administrador de empresas pela EAESP/FGV, mestre em economia pelo Insper-SP e especialista em gestão, inovação e tecnologia pelo MIT Sloan School of Management, além de membro da Diretoria Executiva do IBEF-SP. Foi eleito em 2018 e 2019, pelos seus pares de mercado, como “Top 20 CFO no Brasil”.

  • 17:30
    Encerramento do primeiro dia e coquetel de Networking

Plenária

Sessão Plenária

Vivianne Valente

Chair: Vivianne Valente, Diretora Executiva de Finanças, Tecnologia e Serviços Compartilhados, Grupo Tigre

Vivianne Valente
Vivianne Valente Grupo Tigre Diretora Executiva de Finanças, Tecnologia e Serviços Compartilhados

  • 9:10
    Gerenciando tesouraria em uma empresa de alto crescimento

    O MercadoLivre é uma das empresas mais inovadoras, e de alto crescimento da América Latina. Só o Brasil tem 48 milhões de usuários e gera US$ 84O milhões de receita líquida. Isso não ocorre sem desafios para sua tesouraria. A tecnologia é estratégica para a empresa, e a tesouraria não pode ficar para trás em termos de automação. Digitalização é fundamental para evitar os riscos das operações manuais e lidar eficientemente como grande volume de transações. Outro desafio é acessar o financiamento no Brasil para
    dar suporte ao crescimento. A Tesouraria do MercadoLivre atua como um verdadeiro parceiro para o negócio, implementando estratégias e produtos para financiar clientes e fornecedores, ao mesmo tempo em que melhora o capital de giro da empresa. Nesta sessão, veremos a melhor prática de tesouraria de uma das empresas de mais rápido crescimento na América Latina.

    André Estefan Ventura

    André Estefan Ventura, Treasury Country Manager, Mercado Livre

    André Estefan Ventura
    André Estefan Ventura Mercado Livre Treasury Country Manager

    Formado em Engenharia Civil pela Escola Politécnica da USP, pós graduado em Gestão de Projetos e Riscos, Gestor de Finanças de grandes companhias de capital aberto, notadamente no mercado bancário e financeiro. Larga experiência em mercado de capitais, alternativas de funding local e off-shore, estrutura de capital, hedge e investimentos.

  • 9:50
    Levando seu SSC para o próximo nível com RPA e IA

    Na busca pela redução de custos, agilizar processos e aumentar o controle, as empresas há muitos anos concentram suas operações em Centros de Serviços Compartilhados. Quais as novidades? As Tesourarias agora esperam mais deles: serviços melhores e mais rápidos, escalabilidade e maior valor comercial. O risco e o custo do trabalho são altos no Brasil, e a nova legislação limita o número de horas de trabalho. Esse não é um problema na era digital. RPA e IA podem levar o SSC a novos níveis de velocidade, segurança e eficiência. Veremos as últimas tendências.

    Flavio Feltrin

    Flavio Feltrin, Head of SSC, Algar S/A

    Flavio Feltrin
    Flavio Feltrin Algar S/A Head of SSC

    Analista de sistemas, pós-graduado em administração e marketing, MBA Executivo Internacional em Gestão de Projetos, especialista em gestão da mudança, facilitador de constelações organizacionais, master coach & trainer. 20 anos de experiencia em Shared Services e Business Process Outsourcing.

    Gustavo Matsumoto

    Gustavo Matsumoto, Diretor Corporativo de Finanças, Algar S/A

    Gustavo Matsumoto
    Gustavo Matsumoto Algar S/A Diretor Corporativo de Finanças

    CFO do Grupo Algar, grupo brasileiro com atuação nos setores de Telecomunicações, TI, Entretenimento e Agronegócios. Mestre em Administração Financeira e graduado em Ciências Contábeis, possui 20 anos de experiência profissional na área de finanças, controladoria, M&A e auditoria interna.

  • 10:30
    Coffee break e exposição
  • 11:00
    Voltado à otimização de caixa da empresa

    Os programas de factoring e de financiamento da cadeia de suprimentos podem ser bastante complexos com clientes e fornecedores que usam várias plataformas simultaneamente. Nessas circunstâncias, muita mão de obra, faturamento baseado em papel e reconciliação manual não são incomuns. Separar a tecnologia e o financiamento pode ser a resposta. Novas soluções que usam inteligência artificial, Big Data e análises estão ajudando a entender melhor os fluxos de caixa e projetar as melhores estratégias para sua implantação, alinhando as metas da empresa e criando programas que beneficiem todos os atores do ecossistema. Elas também podem oferecer aprimoramento da segurança. Saiba mais sobre as últimas inovações que lhe ajudarão a implementar otimização de caixa para toda a empresa.

  • 11:40
    Regulamentação para acelerar a inovação

    Com as novas tecnologias surgem novos desafios que nem sempre são contemplados nas estruturas legais existentes. Mas a regulamentação, embora necessária, é uma faca de dois gumes. Ela pode atuar tanto como facilitador e impulsionador da inovação, oucomo barreira às novas oportunidades de negócios. Quais são os planos do governo parapromover novas tecnologias, tais como IA, Blockchain, open banking e análise de dados?
    Que medidas eles estão tomando para garantir a segurança de seus usuários? Veja a novaagenda de digitalização da agência reguladora, e como isso afetará as empresas e suas tesourarias.

    Ingrid Barth

    Ingrid Barth, Founder at Linker & Director at Abfintechs, Linker, Abfintechs

    Ingrid Barth
    Ingrid Barth Linker, Abfintechs Founder at Linker & Director at Abfintechs

  • 12:20
    Almoço

Sessão 1

Foco no financiamento

Silvia Mello

Chair: Silvia Mello, Tesoureira, Martin Brower Brasil

Silvia Mello
Silvia Mello Martin Brower Brasil Tesoureira

  • 14:10
    Financiamento: Percorrendo a linha tênue entre taxas e impostos

    O financiamento subsidiado foi bom enquanto durou, mas criou distorções de mercado, significando financiamento barato para alguns, e maiores spreads e taxas para outros. Assim, os bancos estão começando a oferecer empréstimos de longo prazo, mas apenas bilateralmente. O custo dos fundos é relativamente baixo no Brasil, mas o impacto dos impostos é considerável, e muitos optam por financiamento entre empresas ou injeções de capital. Nesta sessão, veremos como as empresas avaliam alternativas de financiamento locais e off-shore e os custos associados. Quais fontes não relacionadas ao comércio são as mais eficientes? Consórcios de investimento são uma opção? Quais as implicações da emissão de títulos nos mercados locais e internacionais?

    Breno Polli

    Breno Polli, CFO, Coty Brazil

    Breno Polli
    Breno Polli Coty Brazil CFO

    Breno tem 20 anos de experiência no setor de FMCG e Beleza na América Latina, Europa e América do Norte, tendo trabalhado em projetos de tesouraria e transformação, incluindo fusões e aquisições, controle, finanças da cadeia de suprimentos e suporte a negócios. Atualmente, ele ocupa a posição de CFO da Coty Brasil e do Cone Sul com a ambição de transformar esses principais mercados e liderar pelo exemplo para o restante da empresa.

    Glauco Barros

    Glauco Barros, CFO, Brazil, NCR

    Glauco Barros
    Glauco Barros NCR CFO, Brazil

  • 14:50
    A melhor clínica fiscal

    O complexo sistema de tributação do Brasil tem consequências para a tomada de decisões de negócios das empresas. Os custos de financiamento, investimento e cadeia de suprimentos podem ser significativamente afetados se a regulamentação fiscal não for adequadamente entendida. Formas de repatriar dinheiro, imposto retido na fonte e regras de preços de transferência devem ser cuidadosamente consideradas. A potencial reforma fiscal do imposto sobre o rendimento das sociedades e do sistema do IVA seria benéfica para os investidores. As mudanças do IOF nas transações de exportação também estão causando debates acalorados. Este diretor de impostos, com sólida experiência em finanças e tesouraria, dá dicas de como ser mais eficiente em termos de impostos no Brasil.

    Ivan Ferreira

    Ivan Ferreira, Tax & Customs Director, Siemens

    Ivan Ferreira
    Ivan Ferreira Siemens Tax & Customs Director

    Bacharel em Ciências Econômicas pela "Universidade Estadual Paulista - UNESP" e especializações em: “InternationalTaxation” pela Universidade de Leiden (Holanda); “General Management” pelo Centro de Excelência em Liderança da Siemens (Alemanha) e “Finance for Executives” pelaKellogSchoolofManagment (USA). Atualmente, é Diretor Tributário e Aduaneiro da Siemens Brasil onde gerencia uma equipe de aproximadamente 55 pessoas. Trabalhou 9 anos em empresas de auditoria (dentre as quais Andersen e Deloitte) e 9 anos em indústria de telefonia móvel e papel e celulose (Motorola e WestRock). Conferencista frequente no Brasil e EUA.

  • 15:30
    Coffee break e exposição
  • 16:10
    Financiamento da cadeia de suprimentos: abraçando o desafio

    O financiamento da cadeia de suprimentos libera liquidez para o fornecedor, que poderá se beneficiar da melhor capacidade creditícia de um comprador e obter menores custos de financiamento. Para o comprador, isso não é apenas uma fonte de liquidez e uma ferramenta para negociar prazos de pagamento mais longos com os fornecedores. É uma maneira de fortalecer o relacionamento de longo prazo. No entanto, a implementação nem sempre é fácil, e os bancos são seletivos em relação aos fornecedores que financiam. Atualmente, há novas plataformas flexíveis e multiprodutos que permitem que as tesourarias sejam plug and play, facilitando as interfaces sem perder o relacionamento com seus bancos. Além disso, essas plataformas criam mercados eletrônicos, ampliando o grupo de financiadores e fornecedores que podem acessá-las. Veja como as inovações mais recentes podem ajudá-lo a otimizar o capital de giro, bem como reduzir os níveis de riscos e dívidas em seu balanço patrimonial.

    Thalles Weber Pereira

    Thalles Weber Pereira, Treasury Manager, Saint Gobain

    Thalles Weber Pereira
    Thalles Weber Pereira Saint Gobain Treasury Manager

    Thalles Weber é Gerente de Tesouraria na Saint-Gobain. Ele está baseado em São Paulo, é responsável pelas operações de Tesouraria no Brasil e auxilia o Diretor Regional de Tesouraria na Região LATAM. Juntou-se à equipe de Tesouraria da Saint-Gobain em 2017, após 6 anos de experiência em Auditoria Interna e Compliance na Saint-Gobain, Noble Group (Cofco) e na Louis Dreyfus Commodities.

  • 16:40
    Acelerando o Capital de Giro

    Em um ambiente de crédito mais apertado e expansão global, a otimização do Capital de Giro é fundamental. No entanto, para conseguir isso, toda a organização precisa estar engajada nesse esforço. Entender o custo de usar o balanço ao dar um prazo de pagamento a um cliente ou fornecedor, as alternativas disponíveis poderão afetar significativamente o resultado final. Esta empresa fala sobre as métricas estabelecidas para medir o Capital de Giro, mudanças nos KPIs para promover engajamento interno, melhorias nos prazos das contas a pagar e a receber e as soluções de financiamento alternativas utilizadas, incluindo securitização, SCF e CRAS.

    Fernando Lobo

    Fernando Lobo, Director Treasury, Credit and Collection South America, BASF

    Fernando Lobo
    Fernando Lobo BASF Director Treasury, Credit and Collection South America

    Diretor de Tesouraria, Crédito e Cobrança da BASF na América do Sul. Economista FEA-USP. Mestre em administração de empresas na Universidade Erasmus em Roterdã. Anteriormente trabalhou em diferentes divisões de negócios e em diferentes funções no Brasil e no exterior pela BASF.

  • 17:20
    Fim da conferência

Sessão 2

Um foco na América Latina

Victor Oliveira

Chair: Victor Oliveira, CFO LAtam, GSK

Victor Oliveira
Victor Oliveira GSK CFO LAtam

  • 14:10
    Dominando a gestão de caixa internacional da América Latina

    Gerenciar tesouraria na América Latina não é para aqueles de coração fraco. A volatilidade das montanhas-russas, falta de presença de bancos homogêneos, mudanças regulatórias e restrições que destroem qualquer sonho de eficiência são apenas alguns dos problemas mais comuns. Dito isso, a tendência para centralização é incontrolável. Então, como as tesourarias estão gerenciando nesse ambiente? Como elas cumprem as políticas e estratégias de padronização da matriz? Tirar dinheiro do Brasil via reserva de tesouraria é muito caro em termos de impostos, mas deixá-lo lá é um risco. Participe desta sessão para descobrir como a tecnologia está ajudando esta empresa que possui operações em toda a região, e em quais áreas é preciso adaptar as estratégias aos mercados locais. Quais plataformas regionais estão disponíveis? Qual é a melhor maneira de ter visibilidade e movimentar e retirar fundos com eficiência?

    Felipe Cabral da Costa

    Felipe Cabral da Costa, Head de Tesouraria para América Latina, AkzoNobel

    Felipe Cabral da Costa
    Felipe Cabral da Costa AkzoNobel Head de Tesouraria para América Latina

  • 14:50
    Guia passo a passo para configurar SSC na América Latina

    Um dos aspectos mais assustadores do lançamento de uma SSC é a política envolvida. Mesmo que os benefícios sejam claros, o sentimento de perda de poder para alguns e a realocação de recursos precisam ser resolvidos. Depois, há as questões de localização, quais serviços serão fornecidos, quais sistemas serão necessários e qual gerenciamento de mudanças será envolvido. Acordos de Nível de Serviço, KPIs e ROI devem ser estabelecidos. Esta empresa passou com sucesso por tudo isso, e compartilhará as lições aprendidas.

    Ramona Linsmayer

    Ramona Linsmayer, Head of Accor Brazil Shared Service Center, Accor, Brazil

    Ramona Linsmayer
    Ramona Linsmayer Accor, Brazil Head of Accor Brazil Shared Service Center

    Formada em Economia (PUCCAMP) e com MBA Marketing (ESPM-SP), Ramona é Gerente Geral do Centro de Serviços Compartilhados da ACCOR Brasil. Iniciou a parceria em 2018 para uma construir a transformação, evolução e expansão dos serviços de “backoffice” para + de 100 hotéis. Com atuação na LATAM, Europa e Ásia, trabalhou com IBM, FMC, ZF Automotive, CEVA Santé Animale e Capgemini BPO.

  • 15:30
    Coffee break e exposição
  • 16:10
    Escolhendo o parceiro certo: detalhes de um processo de RFP

    Encontrar o banco parceiro certo no Brasil não é tarefa fácil. Considerando que as empresas querem manter o número no mínimo, nenhum banco tem cobertura regional total, e nem todos têm serviços homogêneos ou um ponto de contato entre os países. Além disso, certos pagamentos, como impostos ou folhas de pagamento, não podem ser executados por todos os bancos. Nesse contexto, a condução de uma exaustiva RFP é fundamental. Esta empresa passou por esse exercício e veremos as lições aprendidas. Eles compartilharão o que foi incluído na proposta, darão dicas sobre como escrevê-la, como avaliar candidatos, e o que fez a diferença nos casos em que a diferença dos valores entre as ofertas eram desprezíveis.

    Renato Novais

    Renato Novais, Head of Treasury and Insurance Risk Management, ABB

    Renato Novais
    Renato Novais ABB Head of Treasury and Insurance Risk Management

  • 16:50
    Argentina: apoiando seus negócios em um ambiente de alto risco

    Parece não ter fim a instabilidade permanente da Argentina. A melhoria relativa deste ano foi aniquilada pela incerteza política. O medo de um retorno às políticas protecionistas aprofundou a crise financeira da Argentina. Os eventos que levaram o país à recessão, desvalorização, inflação alta e contração do mercado de crédito ainda estão impactando as empresas. O custo de financiamento e hedge continua alto. No nível de gerenciamento de caixa, o país promove operações digitais, mas os impostos sobre as transações significam que o dinheiro ainda é amplamente utilizado. Participe desta sessão para ouvir uma perspectiva do futuro e das melhores práticas neste ambiente complexo. Como os tesoureiros gerenciam capital de giro, financiamento de vendas e gerenciamento de risco de câmbio?

    Mauro Rial

    Mauro Rial, CFO South America, Accor

    Mauro Rial
    Mauro Rial Accor CFO South America

    Mauro Rial joined Accor in 2017 as Chief Financial Officer for South America, in charge of leading all financial and administrative activities, and supporting development in the region. He is a board member of A3 Property Investments, SpA, Chilean hospitality real estate company with assets in Chile, Peru, Colombia and USA. Mauro is a seasoned executive with extensive experience in restructurings, ERP implementations, process reengineering and M&As. Mauro previously worked for Arthur Andersen, Ernst & Young and Suez Group, where he fulfilled for more than 13 years executive financial positions in Puerto Rico, Chile, Argentina, France, Spain and Brazil. He holds a Public Accountant degree by Universidad Nacional del Sur, Argentina, a Master of Finance from Universidad del CEMA, Argentina, a specialization in Mergers & Acquisitions from London Business School and a Certificate in Hotel Real Estate Investments & Asset Management from Cornell University.

    Robson Faria

    Robson Faria, CFO, Latin America, Glenmark Pharmacuticals

    Robson Faria
    Robson Faria Glenmark Pharmacuticals CFO, Latin America

    Robson Faria é diretor financeiro para a América Latina na Glenmark Farmacêutica, empresa de origem Indiana com escritórios, fábricas e centros de pesquisa na Europa, América do Norte, América Latina, Ásia e África. Lidera as áreas de planejamento estratégico financeiro e back office, incluindo: contabilidade, auditoria, SOX, planejamento tributário, contabilidade de custos, tesouraria, folha de pagamento e operações financeiras. É responsável por estudos de viabilidade financeira de projetos para aumentar a capacidade de fabricação, redução de custos e lançamentos de novos produtos e projetos especiais. Atua há vinte anos na área financeira de empresas multinacionais, tais como: Ely Lilly, Johnson&Johnson, Heatcraft Worldwide Refrigeration, Mars, entre outras. Sua vivência nas áreas de finanças em empresas com escritórios e fábricas na América Latina lhe rendeu amplo conhecimento em câmbio de moeda estrangeira e no FASB (US-GAAP), além de auditorias e controles internos, análise de viabilidade de projetos e investimentos. Robson é graduado em Contabilidade e Economia, possui MBA em Administração de Negócios pela FGV, Extensão em Hedge pelo Instituto Educacional BM&FBOVESPA e Engenharia de Produção e Qualidade pela Universidade Federal de Itajubá. É membro do IBEF-SP, atuante na Diretoria Vogal da Instituição.

    Mauricio Fernandes

    Mauricio Fernandes, VP, Finance Business Partner, Mastercard

    Mauricio Fernandes
    Mauricio Fernandes Mastercard VP, Finance Business Partner

    Maurício Fernandes é vice-presidente de finanças da Mastercard desde 2017. Como parte de sua função, ele é responsável pela estrutura financeira da Mastercard no Cone Sul da América Latina. Maurício possui mais de 18 anos de experiência em finanças, trabalhando para diferentes empresas, mercados e países. Iniciou sua carreira na Unilever, trabalhando em diferentes funções como FP&A, Tesouraria e Controladoria. Ele também atuou como diretor financeiro da Sherwin Williams Brasil e da Orsa International Paper. Maurício é bacharel em administração de empresas pela Fundação Getulio Vargas em São Paulo / Brasil e possui mestrado em Finanças e Economia pela FGV.

  • 17:20
    Fim da conferência